Desta aventura...

Depois de receber um pedido da Cláudia e da Lane, fundadoras do Mulher XL, para falar sobre a minha experiência do Dia do modelo, organizado por elas em 2010 achei que seria bom eu falar-vos um bocadinho do que foi aquele dia para mim.

Como já vos contei aqui no blog o ano de 2010 foi para mim o ano em que a vida deu uma enorme volta e eu decidi ir atrás de uma necessidade que eu tinha, reconstruir-me.
Estava a ser seguida pela minha psicóloga/hipnoterapeuta há uns meses e tinha acabado de encontrar o anúncio para este dia através de um outro blog da Cláudia que eu já conhecia de outros tempos.
Fiquei a olhar para o ecrã do computador, a imaginar-me feliz e de bem com a vida. Mas, chorei e chorei e chorei quando ao pestanejar percebi que nada daquilo se enquadrava com o que eu sentia naquele momento.
Na consulta seguinte tomei coragem e partilhei aquele evento com a minha médica. Ela disse-me "Ana, sei que será difícil, sei que não te sentirás maravilhosa, mas vai. Obriga-te a ir, acho que te vai fazer bem nem que seja para te olhares, tentares ver quem és e o que és atualmente. Tenho a certeza que te vai ajudar".
Falei com o marido e fui.
O dia tinha chegado e eu lembro-me de tremer e suar sem explicação. Confesso que aquele dia era para mim mais um dia em que sorriria para que ninguém percebesse as minhas dores e inseguranças.
Chegava a hora do cabelo e eu que nunca tive antes coragem de assumir as minhas escolhas ouvi a cabeleireira dizer de sorriso nos lábios, "vamos esticar esse cabelo?!". E eu sorri, sem lhe conseguir dizer que os meus caracóis fazem parte de mim, da personalidade que queria conquistar. E eu vi aquele cabelo desaparecer enquanto de olhos vazios lhe sorria.
A roupa... mais um stress em que eu servia de cabide e a pessoa da marca me enchia de colares, pulseiras enormes quando eu sempre quis ser a delicadeza dos pormenores.
Ela dava e eu sorria. 
Hoje olho para as fotos e lembro-me de na altura pensar "mas isto junto fica péssimo" e de me faltar a coragem para impor os meus gostos. A culpa não é de ninguém, a falha era minha, só minha. Eu era gente sem voz, sem força ou vontades.

Mas, há uma coisa que me lembro daquele dia, das pessoas. Da troca. Da vontade em gostar de quem sou que cresceu ainda mais ao ver Mulheres tão bem resolvidas e tão orgulhosamente femininas independentemente do seu aspeto físico. Não foi o cd com fotos que hoje em dia em nada me identificam apesar de marcarem uma fase de mudança na minha vida, que eu guardo com mais carinho, não. Aquilo que guardei foram as emoções, os sorrisos e cumplicidade que se fez sentir naquele espaço.

Este ano existirá um novo dia de Modelo, num espaço maravilhoso, com marcas de roupa e profissionais diferentes. Aconselho-vos vivamente a experimentarem esta aventura. Sejam genuínas, sejam vocês, mesmo com todas as inseguranças que possam sentir, ousem e mesmo que sejam o estilo de pessoa que eu fui, sem voz, vão e experimentem este passo. Quem sabe não será também para vocês mais um ingrediente para avançarem na mudança que precisam sentir para encontrarem o equilíbrio e liberdade que anseiam.
E se são o estilo de pessoa que eu sou hoje, afirmadíssima e livre então vão na mesma, cheguem lá com os vossos cabelos, o vosso estilo, o vosso brilho e arrasem!

Se quiserem saber mais sobre este dia do modelo, podem espreitar aqui.

Sei que quem me conhece a sério não me reconhecerá nesta foto... e não falo do excesso de acessórios, nem dos kilos a mais e nem do cabelo que nem parece meu... falo-vos da falta de força e brilho no olhar. Da falta de garra que hoje todos dizem ver nas fotos que partilho, e isso só se vê no olhar.
Aqui era vazio, mas isto foi o começo de uma longa batalha e eu sei que hoje posso dizer "VALEU A PENA cada passo!".



6 comentários:

  1. Que diferença, Ana. Eu não posso dizer que te "conheço", mas esse brilho no olhar que vejo hoje nas tuas fotos de facto não está aí nessa. E caramba. Até podias estar vestida com um saco de sarapilheira, hoje seria muito mais fierce! Mas uma coisa é certa: a corrida começa-se pelo início. E o teu início foi de uma coragem imensa! :)

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando me dizes que vês o brilho nos meus olhos hoje em dia podes então afirmar que me conheces. Tal como eu disse uma vez "eu não sou mais aquilo". E ainda bem. Como dizes, o primeiro passo pode ser duro, mas o que vem depois vale sempre a pena. Um grande beijinho minha querida Joana!

      Eliminar
  2. Adoro!!! Ana, mesmo que naquele dia não te identificasses com o que te "puseram" em cima, mesmo assim eu achei que ficaste linda. E sim, decerto um ponto de viragem. ! Obrigada por esta partilha! <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes Cláudia, eu acho que a energia que espalhamos é que faz de nós pessoas mais ou menos bonitas. E eu estava ali de coração, com uma vontade enorme de me reconstruir e de beber a boa energia que cada uma tentou partilhar e isso é que é o essencial. A página virou e eu agradeço toda a história que escrevemos.
      Beijinhos <3

      Eliminar
  3. Podes até nem ter o tal brilho nos olhos mas estas lindas e continuas linda.Para mim uma mulher não deixa de ser mais ou menos linda por ser gorda ou magra alta ou baixa cada uma é como é mas a verdade é que a sociedade em que vivemos quer tudo igual.Mas tu brilhar e isso é optimo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que a força interior é a beleza mais persistente e era essa que me faltava ;)

      Eliminar

Please feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...